12/12/2012

Coema da CNI debate Gestão de Recursos Hídricos com representantes de 7 Estados

O diretor-corporativo da Fiems, Jaime Verruck, abriu a reunião dos Coemas

Conselheiros dos Coemas (Conselhos Temáticos Permanentes de Meio Ambiente) das Federações de Indústrias de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Roraima, Pará, Maranhão e Distrito Federal participaram, no Edifício Casa da Indústria, em Campo Grande (MS), da 7ª Reunião Regional Centro-Norte promovida pelo Coema da CNI. A temática ambiental foi a pauta principal do encontro e tema da mesa redonda sobre Gestão de Recursos Hídricos.
Durante a reunião foram ainda pontuados assuntos como avaliação ambiental estratégica no licenciamento de PCHs (Pequenas Centrais Hidrelétricas), Plano Estadual de Recursos Hídricos com avanços na implementação, Observatório Socioambiental de Bonito e Política Nacional sobre Mudança no Clima com Estratégia na Indústria Brasileira. Segundo o diretor-corporativo da Fiems, Jaime Verruck, que representou o presidente Sérgio Longen, discutir as questões ambientais é de suma importância para o setor industrial.
Para o presidente do Coema da Fiems, Isaías Bernardini, a integração com outros Estados é imprescindível. “Compartilhar as experiências tem uma grande importância, e, principalmente estabelecer um intercâmbio das federações da Região Centro-Norte para discutir e debater os problemas”, disse. Já o secretário-executivo do Coema da CNI, Shelley de Sousa Carneiro, declarou que o desafio da indústria brasileira é competir de maneira saudável e inteligente. “A ideia é desenvolver discussões e compartilhar as experiências com os demais Estados”, pontuou.
O deputado estadual Márcio Monteiro, que também participou da reunião, destacou a iniciativa como uma ação importante para se obter avanços. “Ações como essa tornam mais prática e eficiente as questões de sustentabilidade e traz um avanço nas discussões do processo de conscientização. A sustentabilidade tem de ser discutida como um todo, porque todos os Estados compartilham de problemas comuns”, disse.

PALESTRAS - Com foco na Avaliação Ambiental Estratégica no Licenciamento de PCHs, o diretor de sustentabilidade da CPFL Renováveis S.A., Tarcísio Borin Júnior, reforçou, durante a apresentação, que se trata de uma avaliação antecipada e integrada das políticas, planos e programas que afetam o meio ambiente. A Política de Recursos Hídricos, os Planos Nacionais, Regionais e da Bacia, além dos setoriais e programas deles derivados, são focos dessa avaliação.  “Alguns estados têm solicitado a apresentação da Avaliação Ambiental Integrada da Bacia Hidrográfica como pré-requisito para o início do processo de Licenciamento Ambiental dos empreendimentos hidrelétricos”, disse.
O objetivo dessa avaliação é identificar e avaliar os efeitos sinérgicos e cumulativos resultantes dos impactos ambientais ocasionados pela implantação de diversos empreendimentos em uma bacia hidrográfica, além de delimitar as áreas de fragilidade ambiental e conflitos e ainda identificar as diretrizes ambientais para a elaboração de Termos de Referência para os estudos associados ao licenciamento ambiental de empreendimentos.
Os participantes também puderam conferir a apresentação do Plano Estadual de Recursos Hídricos - avanços na implementação, com Angélica Haralampidou, gerente de Recursos Hídricos do Instituto de Meio Ambiente do Mato Grosso do Sul (Imasul). A programação contou ainda com a apresentação do diretor-corporativo da Fiems, Jaime Verruck, que falou sobre o observatório socioambiental de Bonito.   

Edição Online

23.02.2015

Edição 72

Ver Edição

Fiems no facebook

Fiems no twitter

Edi��es Anteriores